• Jornal Esporte e Saúde

Caloura da UFRJ é pintada com tinta preta e vestida de garçonete

Caloura da UFRJ é pintada com tinta preta e vestida de garçonete; universidade repudia e proíbe trote



Publicação de caloura pintada com tinta preta durante trote na UFRJ, em Macaé, repercute nas redes sociais — Foto: Reprodução/Redes Sociais.


'Condutas de caráter racista, homofóbico, sexista ou que configure qualquer tipo de discriminação serão severamente punidas'. Em nota, direção do Campus disse ainda que caso envolvendo calouros do curso de Engenharia será investigado.


Um trote de universitários do curso de engenharia da UFRJ em Macaé, no interior do Rio, ganhou repercussão nas redes sociais depois que calouros publicaram fotos que mostram uma estudante branca pintada com tinta preta e vestida de garçonete nas redes sociais.


O trote realizado nesta quinta-feira (5) foi considerado racista por internautas que relacionaram o ocorrido com a prática de blackface, prática racista de cerca de 200 anos.


Na publicação original, que já foi excluída das redes sociais, a caloura que foi pintada escreveu:


"Oficialmente na federal #UFRJ. (Oi gente, vou explicar aqui. Eu não escolhi ser pintada da forma que foi, foi escolha dos veteranos e eles escolheram assim não sei o porquê. Mas não acho que foi no intuito de fazer Black face. A bandeja e o avental é pela brincadeira que tá fazendo com a turma inteira, porque por ser [da turma] 010 falaram sobre os 10% do garçom e chamam a gente de calouro garçom. Não é na intenção de ofender ninguém)".


A direção do Campus URFJ-Macaé emitiu uma nota de repúdio no site da universidade e nas redes sociais dizendo que "repudia quaisquer manifestações de caráter racista em suas dependências e que abrirá inquérito para apurar o ocorrido no dia 05 de março no trote dos calouros da Engenharia".


A universidade disse ainda que as investigações serão realizadas seguindo o procedimento legal e, caso seja constatado crime de racismo, os envolvidos serão responsabilizados tanto na esfera acadêmica quanto na criminal.


A direção também informou que enquanto durarem as investigações, os trotes estão suspensos e proibidos dentro das dependências do Campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro em Macaé.


A universidade reforçou que lançou, no início da semana, uma campanha para impedir o trote violento ou vexatório e garantiram que condutas de caráter racista, homofóbico, sexista ou que configure qualquer tipo de discriminação serão severamente punidas.


A associação Atlética de Engenharia UFRJ-Macaé publicou uma nota no perfil oficial nas redes sociais onde disse que repudia o ocorrido durante a matrícula dos novos alunos no polo de Macaé e reiterou que não faz parte da Comissão que organiza a recepção dos novos alunos. Por isso, não tem poder de determinar as atividades a serem realizadas.


A nota informou ainda que a bandeira da Atlética que aparece na foto foi emprestada para a Comissão de Trote e, por isso, aparece nas fotos que mostra a caloura pintada de preto com bolas azuis e segurando uma bandeja.


A Atlética concluiu a nota dizendo que "intencionalmente ou não, qualquer ato racista deve sempre ser reprovado. Ressaltamos que REPUDIAMOS todo e qualquer ato de racismo, homofobia, xenofobia, machismo, sexismo ou qualquer outro tipo de preconceito".


A Comissão de Alunos Veteranos também divulgou nota se manifestando sobre o ocorrido.


"A Comissão de Alunos Veteranos 2020 da Universidade Federal do Rio de Janeiro em Macaé, ora esclarece os fatos recentemente veiculados pelos meios de comunicação locais dando conta de que teria havido um trote com práticas manifestamente ilegais e de cunho vexatório e racista. A bem da verdade, o que houve e é tradição nesta Universidade é a congregação dos novos e recém chegados alunos com aqueles que já estão cursando a Faculdade. Esclareça-se que, como foi reconhecido pela própria aluna recém chegada, não houve qualquer prática de cunho racista ou vexaminosa. Portanto, os alunos que compõem a Comissão de Veteranos de 2020 repudia com veemência qualquer ilação que vincule suas ações a qualquer prática criminosa e não hesitará em adotar as medidas legais cabíveis contra aqueles que insistirem em apontar práticas criminosas onde não há", diz o texto da nota.


O G1 tenta contato com os envolvidos no trote e que foram marcados nas fotos que causaram a polêmica, mas até a publicação desta reportagem não conseguiu falar com os universitários. Alguns perfis se tornaram privados e outros mudaram de nome nas redes sociais ou foram desativados.



Caloura que teve o corpo pintado de preto durante trote na UFRJ-Macaé escreveu legenda explicando a situação nas redes sociais — Foto: Reprodução/Redes Sociais;


* Por Rodrigo Marinho, G1 — Macaé.



3 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2023 por JORNAL ESPORTE SAÚDE. Orgulhosamente criado com CRIATIVA WEB & PUBLICIDADE