• Jornal Esporte e Saúde

Congelamento de salários deve economizar até R$ 816 bilhões

Cálculo é feito pelo Ipea e vai ser apresentado na nota técnica 'Ajustes nas despesas de pessoal do setor público: cenários exploratórios para o período 2020-2039'


BRASÍLIA - As medidas de controle nos gastos com pessoal e as alterações nas regras do RH do setor público em discussão na reforma administrativa podem resultar em uma economia entre R$ 673 bilhões e R$ 816 bilhões em dez anos, para União Estados e municípios, segundo cálculos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O impacto é fruto do congelamento de salários por dois anos, já aprovada pelo Congresso, e de eventuais mudanças nas carreiras daqui para frente, cujas propostas ainda estão em discussão dentro do governo.



Presidente Jair Bolsonaro e ministro da Economia, Paulo Guedes 20/02/2020 REUTERS/Adriano Machado

Foto: Reuters


Os Estados e o Distrito Federal são os que têm mais espaço para frear os gastos com a folha do funcionalismo e podem poupar de R$ 286,2 bilhões a R$ 339,7 bilhões na comparação com um cenário sem reforma. Nos municípios, a redução de despesas pode ficar entre R$ 200 bilhões e R$ 224 bilhões. Para a União, o estudo estima a possibilidade de economia de R$ 186,9 bilhões a R$ 252,3 bilhões.


As estimativas do Ipea serão divulgadas pelo Ipea na nota técnica "Ajustes nas despesas de pessoal do setor público: cenários exploratórios para o período 2020-2039", à qual o Estadão/Broadcast teve acesso. A ideia do órgão é subsidiar o debate que começa agora na Câmara com o início da tramitação da reforma administrativa, que muda a forma como os servidores são contratados, promovidos e demitidos.


Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se antecipou e citou um potencial de R$ 300 bilhões de diminuição dos gastos com a reforma, um número que já considera parte das projeções feitas pelo Ipea. Nas contas do órgão, iniciativas para reduzir a reposição de servidores daqui para frente, cortar salários iniciais para novos entrantes e alongar os degraus das carreiras podem resultar em impactos de R$ 202,5 bilhões a R$ 318,5 bilhões nas três esferas, a depender do alcance das medidas.


A outra parte da economia viria do congelamento dos salários de servidores federais, estaduais e municipais, medida aprovada este ano juntamente com o socorro financeiro concedido a Estados e municípios devido à pandemia da covid-19.


Embora a proibição a reajustes valha por dois anos, seu efeito é perene, uma vez que aumentos futuros ocorrerão sobre uma base salarial menor.


Considerando que, a partir de 2022, os reajustes correspondam sempre à inflação anual, sem compensações para "devolver" o período de congelamento, o Ipea avalia que essa medida causa um deslocamento permanente para baixo das despesas de pessoal. Por isso, a economia em uma década pode ser de R$ 470,7 a R$ 503,5 bilhões, segundo o Ipea.


Oficialmente, o governo não enviou junto com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma administrativa nenhum cálculo da economia potencial. A justificativa é que a conta depende ainda de decisões sobre as carreiras dos servidores, que não estão contempladas no texto da PEC e que ficarão para projetos de lei, numa segunda fase da reforma, porque dependem inclusive da aprovação da mudança constitucional.


O diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo Souza Junior, diz que a divulgação dos cálculos pretende auxiliar a sociedade e os tomadores de decisão - Executivo e Parlamento - a entender os possíveis impactos fiscais de diferentes conjuntos de medidas e as condições necessárias para torná-las efetivas. "A ideia foi fazer uma avaliação de projeções de gastos com pessoal sob diferentes hipóteses e cenários", explica.


Apesar de a PEC do governo ter deixado de fora os membros de Poderes (como juízes, desembargadores, procuradores e parlamentares), os cálculos do Ipea adotam como premissa a inclusão dessas categorias nas medidas de ajuste. "Os juízes estão incluídos, mas é bom lembrar que o objetivo do estudo não é estimar a economia especificamente com a PEC enviada. O objetivo é avaliar determinadas medidas que podem ser classificadas como reforma administrativa. De qualquer forma, o tipo de medida avaliado sobre a carreira específica de juiz não teria impacto fiscal elevado", afirma o diretor.


Para fazer os cálculos, Souza Junior afirma que os técnicos fizeram "microssimulações" a partir dos dados de servidores atuais - obtidos por meio de um sistema contábil integrado da União (Siafi) e dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) no caso de Estados e municípios. "Não tem o indivíduo ainda, mas a gente projeta quantas pessoas devem entrar, quanto tempo ele deve ficar no setor público, faz hipótese sobre aposentadoria, taxa de reposição. E aí projeta esse indivíduo novo que não existe ainda numa carreira alterada, mais longa. Tem uma série de detalhes que levamos em consideração", detalha o diretor.


Segundo ele, a reforma administrativa é bem diferente da previdenciária, que foi feita "numa tranche só" de votação. No caso da administrativa, são várias etapas, o que torna mais difícil dizer a "avaliação da reforma".


* https://www.terra.com.br/Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli.


3 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2023 por JORNAL ESPORTE SAÚDE. Orgulhosamente criado com CRIATIVA WEB & PUBLICIDADE