• Jornal Esporte e Saúde

Flamengo baixa a guarda, passa por sustos, mas cumpre missão contra o CSA

No embalo de goleada sobre o Grêmio, time de Jorge Jesus deixa espetáculo para depois e corre riscos desnecessários. Vitória, por sua vez, deixa Rubro-Negro a sete

rodadas de título



Flamengo x CSA — Foto: André Durão.


Faltou capricho, concentração e fôlego. O Flamengo de domingo no Maracanã nem de perto lembrou o time avassalador de quarta-feira, mas nem por isso deixou de cumprir seu papel. Se acostumou o torcedor a vencer e convencer, o time que despachou o CSA pela 28ª rodada do Brasileirão apenas venceu. E foi suficiente para os quase 70 mil rubro-negros presentes no estádio.


No rebote do 5 a 0 sobre o Grêmio, o que se viu em campo foi um Flamengo moroso, como se a vitória fosse uma questão protocolar. O CSA mostrou que não. Surpreendentemente, o time de Alagoas ousou, se jogou ao ataque e obrigou Diego Alves a ser o melhor em campo. Mas não tem o clichê de que “todo grande time começa por um grande goleiro”? O líder do Brasileirão não foge à regra.


Os 65% de posse de bola e as 17 finalizações (nove chances reais) mostram que o Flamengo sempre esteve mais próximo de fazer o segundo gol do que o CSA de empatar. Natural pela disparidade técnica entre as equipes. Mas os visitantes impuseram riscos que o time de Jorge Jesus não está acostumado a sofrer. Sem nada a perder, tentaram e se tornaram um dos adversários que mais tiraram o Rubro-Negro da zona de conforto.


O “Mister” foi pontual em entrevista coletiva ao deixar claro que seu time foi pior defensivamente do que ofensivamente. O quarteto Everton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol não esteve em noite inspirada, mas não deixou de criar. Faltou capricho na finalização para que a vitória fosse mais tranquila (Arrascaeta deve ter gastado toda cota no golaço logo aos oito).


A desconcentração coletiva, por sua vez, afetou mais o setor defensivo. O Flamengo dava espaços para que o CSA se soltasse e gostasse do jogo. E isso vai além de Rafinha, Rodrigo Caio, Thuler e Filipe Luís. Muito além. O time como um todo baixou a guarda e sofreu riscos desnecessários e inesperados.


Reflexo até natural depois de um compromisso com o grau de tensão do jogo contra o Grêmio. Na última vez que isso aconteceu, o Bahia não perdoou e fez 3 a 0 no primeiro tempo após a classificação nos pênaltis diante do Emelec, pelas oitavas de final da Libertadores.


Quase três meses depois, o Flamengo até deu brechas, mas soube sofrer. O espetáculo ficou para a próxima, os três pontos não. Foram para a tabela. E, se para todo mundo faltam dez jogos para o fim do Brasileirão, ao Rubro-Negro restam sete. Com 10 pontos de vantagem para o Palmeiras, essa é a conta para o sétimo título brasileiro. Com espetáculo ou não.


* https://globoesporte.globo.com/Por Cahê Mota — Rio de Janeiro.





1 visualização

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2023 por JORNAL ESPORTE SAÚDE. Orgulhosamente criado com CRIATIVA WEB & PUBLICIDADE