• Jornal Esporte e Saúde

Homens abrem fogo em escola, matam dez e ferem dezenas em Suzano na Grande São Paulo

Atiradores foram identificados. Um deles teria 17 anos, identificado como Guilherme Taucci Monteiro, e outro teria 25, e foi identificado como Luiz Henrique de Castro



E.E. Professor Raul Brasil é alvo de ataque a tiros em São Paulo - Reprodução/ Facebook


Suzano - O número de mortos no atentado à Escola Estadual Raul Brasil em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo, subiu para dez. A Polícia Militar informa que dois homens encapuzados entraram na escola por volta das 9h30, mataram seis pessoas no local, feriram pelo menos quinze pessoas e se mataram. Inicialmente, os autores dos disparos foram descritos como adolescentes. Mais tarde, a polícia informou que um deles teria 17 anos, identificado como Guilherme Taucci Monteiro, e outro teria 25, e foi identificado como Luiz Henrique de Castro. Ele faria 26 anos no próximo sábado.


Os nomes das vítimas estão em sigilo até que as famílias sejam informadas. Uma coletiva de imprensa esta marcada para as 14 horas.


O governador de São Paulo, João Doria, disse que quatro adolescentes foram mortos no local, seriam três rapazes e uma moça. Além deles, duas funcionárias da escola foram mortas no local. O dono de um lava-jato próximo à escola também foi alvo do ataque. Ele foi baleado e passa por cirurgia. Uma vítima faleceu no Hospital Luzia de Pinho Melo e outra também faleceu em uma unidade de saúde.


O governador informou, que apesar de estar abalada, a diretora da escola não reconheceu os atiradores como ex-alunos, mas a polícia não descarta a possibilidade na investigação.


O comandante-geral da PM, coronel Marcello Salles, descreveu o que já se sabe da ação dos bandidos. Primeiro, os dois balearam o dono do lava-jato. Ao entrarem na escola, mataram a coordenadora pedagógica, e em seguida outra funcionária. Era hora do recreio do Ensino Médio e eles se dirigiram ao pátio. Lá, mataram quatro estudantes. Em seguida, os homens se encaminharam para o curso de línguas, onde professora e alunos se trancaram na sala. Foi quando os dois se mataram no corredor.


A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informa que duas vítimas foram encaminhadas ao Hospital Luzia de Pinho Melo, Mogi das Cruzes. Uma delas chegou em estado de saúde gravíssimo e morreu. A outra está em estado grave e estável. Identidades e idades ainda não foram reveladas.


As vítimas foram encaminhadas ao Hospital Santa Maria e ao pronto-socorro Santa Casa, que ficam no mesmo prédio, a dois quarteirões da escola. Ainda não há identificação de número de feridos ou estado de saúde. Na Santa Casa de Suzano, uma funcionária informou que nove ou dez adolescentes aparentando ter entre 13 e 14 anos deram entrada na unidade. Já no pronto-socorro Santa Maria, informaram que cinco pessoas, entre adultos e crianças, são atendidos.


A assessora de imprensa da PM-SP, capitão Cibele, disse que os agentes chegaram rápido ao local, porque estavam a caminho de uma ocorrência nas proximidades quando escutaram os gritos. O governador João Doria disse que os policiais levaram oito minutos para chegar ao local.


O vídeo abaixo mostra os estudantes saindo correndo da escola. O veículo branco foi utilizado pelos atiradores.


Armamentos apreendidos


O coronel Marcelo Sallles informou que os armamentos utilizados no massacre chamaram a atenção. "Foi uma ação vil e imponderável. Em mais de 30 anos de serviço nunca tinha visto algo do tipo". Segundo ele, foram encontrados quatro quatro carregadores de armas de plástico, um revólver calibre 38 e uma besta (arma medieval com flechas). Também foram encontrados artefatos que parecem explosivos. O Grupo de Atuação Tática da PM faz uma varredura no local para desativar estes artefatos.


A escola é referência na região e oferece ensino fundamental e médio e um centro de estudos de língua.


O atentado causou caos e pânico. Estudantes saíram correndo e se abrigaram em lojas próximas. O governador João Doria (PSDB) cancelou toda sua agenda e se dirigiu ao local para acompanhar o trabalho de resgate e atendimento aos feridos.


Um vídeo impublicável registra corpos caídos no interior da escola, a ação de PMs e colegas horrorizados com a cena.


Joao Doria: 'Cena mais triste da minha vida'


O governador do Estado de São Paulo Joao Doria foi à escola, mas já retornou à capital paulista. Ele disse que solicitou à Secretaria Estadual de São Paulo que reforçasse o atendimento psicológico aos afetados pela tragédia. Ele também se disse consternado e manifestou solidariedade aos familiares das vítimas e dos atiradores suicidas. "Estou profundamente triste, muito impactado. Nunca tinha visto uma cena igual, a mais triste que vi na minha vida", disse.


Massacre de Realengo


No dia 7 de abril de 2011, por volta das 8h30, um homem invadiu duas salas do 8º ano da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, Zona Oeste do Rio de Janeiro, matou 12 crianças, maioria meninas, feriu onze e se matou. O autor do massacre foi o ex-aluno Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos. Ele portava dois revólveres.


O homem que abriu fogo na Catedral de Campinas em dezembro do ano passado e matou cinco pessoas congratulou o autor do massacre em Realengo em um diário.


* O DIA/Por Adriano Araújo e Beatriz Perez.





4 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2023 por JORNAL ESPORTE SAÚDE. Orgulhosamente criado com CRIATIVA WEB & PUBLICIDADE