• Jornal Esporte e Saúde

Idosos e o aumento da longevidade: empresas estão preparadas para a “mão-de-obra dos maduros”?

O Dia Internacional do Idoso é comemorado anualmente em 1 de outubro. A data, instituída em 1991 pela ONU - Organização das Nações Unidas - quer sensibilizar a sociedade para as questões do envelhecimento e da necessidade de maiores cuidados com a população mais idosa.



Foto: pressmaster.



Mas será que estamos preparados para Revolução da Longevidade?


É a provocação feita pelo pesquisador Alexandre Correa Lima. Ele chama a atenção para o que denomina como Revolução Prateada.


“Trata-se de um fenômeno global e que vai impactar profundamente o modo como vivemos e pensamos o futuro. Empresas, governo e sociedade devem se atentar para os desafios deste novo momento”, explica.


No Brasil, segundo o IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população com 65 anos de idade ou mais cresceu 26% entre 2012 e 2018. Os dados foram divulgados no último mês de maio, e ainda apontam que em comparação com o ano de 2012, o grupo das pessoas de 60 anos ou mais de idade representava 12,8% da população residente total, passando para 15,4% em 2018.


Alexandre comenta que o mercado de trabalho, entre outros setores, precisa estar preparado para receber uma mão de obra cada vez mais madura. Ele reflete a importância de considerar o inevitável relacionamento entre diferentes gerações dentro das empresas.


No marketing também há um caminho a se seguir. Nada de apelos e placas que tentem reproduzir os maduros com bengalas, ou outros aparatos de apoio à mobilidade. Esse novo perfil de maduro busca qualidade de vida.


“Eles buscam mais qualidade de vida, seja na alimentação ou em seus relacionamentos. Casam-se mais tarde, empreendem, fazem faculdade, viajam, se reinventam. Em um panorama geral, é necessário considerar-se que 25% dos brasileiros possuem 50 anos ou mais, sendo a expectativa média de vida no Brasil de 76 anos. Até 2042, se considerarmos que o número de idosos no Brasil deve dobrar, veremos que sim, temos muitos desafios pela frente, Em pouco tempo seremos uma população quase tão envelhecida quanto o Japão”, disse.


Quanto aos impactos sociais e econômicos, Alexandre explica que a diferença entre Brasil e Japão é o desenvolvimento do país antes do envelhecimento, e cujas políticas públicas não garantem qualidade de vida àqueles acima de 60 anos.


“O Brasil corre o risco de ser a primeira cobaia de um fenômeno bastante arriscado: será o primeiro país que irá envelhecer antes de enriquecer. Outros países já passaram pelo processo de envelhecimento, como Japão, Alemanha ou Espanha, mas eles possuem uma outra realidade econômica e social”.


Para o caminho que já se delineia na atualidade, ele reforça o que suas pesquisas pelo mundo têm apontado: mais do que nunca é necessário buscar informação sobre o assunto e se atentar às mudanças e à relevância sobre o tema.


No site www.revolucaoprateada.com.br é possível conferir outros conteúdos sobre o assunto, fruto das pesquisas e estudos de Alexandre Correa Lima.

ALEXANDRE CORREA LIMA é Palestrante corporativo e CEO da MIND PESQUISAS. Pós-graduado em Administração de Marketing, possui um Master em Comunicação Empresarial (MBC) e cursou a Escola Avançada de Pesquisa de Mercado na University of Georgia (Atlanta/EUA).


Ainda jovem, renunciou à diversos “empregos dos sonhos” para se dedicar às suas paixões: a comunicação, os processos criativos e o estudo dos comportamentos e das tendências de mercado que impactarão empresas, profissionais e sociedade.


Possui mais de duas décadas de experiência em projetos criativos de comunicação, tendo atendido empresas de todo o Brasil, sendo ganhador de diversos concursos de criatividade e festivais de publicidade.


Escreve para jornais e revistas de todo o país e é constantemente entrevistado sobre temas de sua área de atuação.


Ao longo de sua trajetória foi responsável pela condução e análise de milhares de pesquisas de mercado, de satisfação de clientes e colaboradores, sendo hoje um dos maiores especialistas do Brasil nesse tema. É autor do livro “Pesquisas de Opinião Pública” (Novatec) lançado em 2017. Deve lançar seu segundo livro em 2019.


Um dos palestrantes destacados pela revista T&D, referência em RH, que apresentou os destaques do mercado de palestras.


É Professor da FGV e palestrante dos temas de inovação, criatividade, futuro e tendências, atuando ainda em palestras inspiracionais e transformacionais para empresas que querem e merecem mais.


* Flávia Gabriela/sap.comunica.











0 visualização

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2023 por JORNAL ESPORTE SAÚDE. Orgulhosamente criado com CRIATIVA WEB & PUBLICIDADE