• Jornal Esporte e Saúde

Lorenne se lesiona, mas Sesc-Flamengo vence Brasília em casa na estreia da Superliga de Vôlei

Oposta se lesionou no aquecimento e não jogou. Flamengo ainda perdeu a líbero Drussyla, que se sentiu mal após o primeiro set e deu lugar à Marcelle, eleita a melhor jogadora da partida


A primeira rodada da Superliga Feminina de Vôlei foi encerrada com o confronto entre Sesc-Flamengo e Brasília. E mesmo sem poder contar com a enorme torcida rubro negra por conta dos protocolos contra a covid-19, o time comandado por Bernardinho estreou na competição com vitória de 3 sets a 1, com parciais de 14/25, 25/21, 25/19 e 25/10.



Ana Cristina, destaque do Flamengo, que venceu o Brasília na Superliga de Vôlei — Foto: Divulgação


O Flamengo, que antes da Superliga enfrentou vários problemas com lesões de suas atletas, tem mais uma preocupação: no aquecimento para o jogo, a oposta Lorenne sentiu fortes dores na panturrilha, chorou muito e não foi para o jogo, substituída por Sabrina. A suspeita da comissão médica é de que Lorenne tenha sofrido um estiramento no local, e nesta quarta-feira ela passará por exames.


A equipe do Rio de Janeiro também enfrenta problemas com a posição de líbero: em outubro, a titular Natinha rompeu o ligamento do joelho e já estava com a temporada comprometida. A reserva Camila Gomez também sentiu um desconforto semana passada e Bernardinho teve de improvisar com Drussyla na estreia da Superliga. A jogadora se sentiu mal e não voltou à quadra depois do primeiro set, deixando para Marcelle a posição de líbero. Com ótima atuação, ela ainda faturou o trofeu de melhor jogadora da partida.


A falta de ritmo e entrosamento ficou aparente na equipe do Rio no primeiro set. A equipe, apontada como uma das cinco forças favoritas ao título, se encontrou em quadra apenas a partir do segundo set.


* O jogo



Em casa, Flamengo estreou na Superliga Ferminina de Vôlei com vitória sobre Brasília — Foto: Divulgação


O Sesc-Flamengo iniciou a partida com Fabíola, Juciely, Amanda, Ana Cristina, Milka, Sabrina e Drussyla. Já o Brasília, comandado por Rogério Portela, começou o jogo com Ju Carrijo, Edna, Isa Paquiardi, Paula, Aline, Ariane e Vitória.


O Brasília surpreendeu logo no início do set, abrindo cinco pontos de vantagem ao aproveitar bem os contra-ataques com a oposta Ariane e os erros do time da casa, fazendo Bernardinho pedir tempo com o placar apontando 7 a 2 para as visitantes. O Sesc-Flamengo tentou encostar no placar, mas Brasília conseguiu manter distância com bom volume de jogo. Bernardinho voltou a pedir tempo quando as adversárias abriram 17 a 11 e atentou para o grande número de erros de suas atletas, mas não dava mais tempo: Brasília fechou o set em 25 a 14.



Outro alerta vermelho foi ligado no Flamengo na volta para o segundo set: Drussyla se sentiu mal e foi substituída por Marcelle. O Sesc-Flamengo começou o set mais ligado, abrindo três pontos de vantagem no placar também contando com os erros adversários. Com 5 a 2 para as donas da casa, Portela pediu tempo. As comandadas de Bernardinho continuaram abrindo frente, e com 12 a 5, o técnico de Brasília parou o jogo novamente. Deu certo, a equipe encostou e com 13 a 10, foi a vez de Bernardinho parar o set e esfriar o jogo.


Com bom trabalho de bloqueio e boa sequência de saque de Ingrid, Brasília empatou em 17 pontos e forçou Bernardinho a pedir tempo mais uma vez. Com erro de ataque de Juciely, Brasília passou à frente: 20 a 19, fazendo Bernardinho trocar as levantadoras Fabíola por Juma. O set seguiu equilibrado até o fim, e com ace de Juma o Sesc-Flamengo abriu 23 a 21. Edna atacou para fora e o time do Rio de Janeiro fechou em 25 a 21.



O Sesc-Flamengo estreou na Superliga de Vôlei com vitória — Foto: Divulgação


O set seguinte começou quente, com o técnico de Brasília tomando cartão amarelo por reclamação de uma pontuação a favor do Sesc-Flamengo, que abriu quatro pontos em boa sequência de saques forçados de Ana Cristina. Portela pediu tempo quando Brasília perdia por 7 a 3. O time do Rio de Janeiro manteve a distância no placar, e após ponto de saque de Ana Cristina, o treinador de Brasília pediu tempo novamente quando o placar apontava 16 a 12 para o Sesc-Flamengo.


Brasília encostou no placar após belo rali e ponto de Ariane no contra-ataque. Com 19 a 17, Bernardinho pediu tempo. O Sesc-Flamengo abriu novamente e fechou o terceiro set em 25 a 19 com uma bola de segunda de Juma.


Com Ana Cristina arrasadora no saque, o Sesc-Flamengo abriu 4 a 1 no quarto set e seguiu forte em todos os fundamentos, pressionando Brasília, que se perdeu. Com 10 a 3, sete pontos atrás, Portela parou o jogo e pediu alegria em quadra às suas atletas, repetindo o pedido de tempo com 14 a 4, mas a equipe não se encontrou mais em quadra: 25 a 10 num bloqueio em Ariane e vitória para o Sesc-Flamengo.


- Ainda estou um pouco nervosa do jogo, gostei muito da energia, foi minha primeira partida de Superliga e estou muito contente com o resultado - disse a líbero Marcelle após ser eleita a melhor jogadora da partida.


O time de Brasília volta à quadra na sexta-feira, novamente fora de casa, contra o Praia. O Sesc-Flamengo joga a segunda rodada sábado, mais uma vez jogando em casa, desta vez diante do São Caetano.


* Por Redação Ge — São Paulo.




6 visualizações

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2023 por JORNAL ESPORTE SAÚDE. Orgulhosamente criado com CRIATIVA WEB & PUBLICIDADE